Gabrielle “Coco” Chanel

Sexta do Branco
16 de agosto de 2013
Os Bros Ruby Woo
20 de agosto de 2013
Exibir tudo

Boa noite, gente! Começo a semana homenageando ela, que hoje completaria 130 anos: Gabrielle Chanel, a Coco Chanel.

Leonina (me identifico!), ela não tinha nada de meiga e seu temperamento era difícil. Discordava da ideia de que as mulheres deveriam ser sustentadas e esta auto-suficiência era refletida nas suas criações. Muito do pensamento atual de moda tem berço no estilo preconizado por Chanel. Vestir-se de maneira confortável e misturar peças simples com outras sofisticadas são herança da moda que ela criou quando misturou elementos do guarda-roupa masculino à pérolas, camélias e sapatos femininos bicolores. A alfaiataria feminina que permite a liberdade de movimentos nasce ali. Chanel dizia que “O conforto possui formas. O amor cores. Uma saia é feita para se cruzar as pernas e uma manga para se cruzar os braços.” Em tempos de corpetes apertados isso era muito inovador! Para Chanel os acessórios enriqueciam a roupa. Correntes, pérolas, broches de camélias… “O que conta não são os quilates, mas o efeito.”, dizia. Segundo ela, “O luxo tem que ser confortável ou não é luxo.” Acreditava em peças clássicas, sóbrias e duráveis. “Sou contra a moda que não dure. É o meu lado masculino. Não consigo imaginar que se jogue uma roupa fora, só porque é primavera.” E o que mais tem berço na moda de Gabrielle “Coco” Chanel? Cabelos curtos; pretinho básico (para ela “Uma mulher precisa de apenas duas coisas na vida: um vestido preto e um homem que a ame”); tailleur; pérolas, correntes e camélias; a famosa bolsa 2.55, que ganhou este nome em alusão à data em que foi criada (fevereiro de 1955) e é sinônimo de elegância até hoje; sapatos bicolores e o famoso Chanel n. 5, cujo frasco, um cubo de vidro transparente minimalista, revolucionou o mundo dos perfumes nos anos 20, que até então eram envasados em embalagens refinadas. Dia bom para pensar em incorporar o estilo Chanel. Compreender nosso estilo, não pirar no fast fashion, tratar de ser antes de ter… Enfim, devaneios de uma segunda-feira de homenagens à mulher cujo pensamento e a moda influenciam o mundo até hoje. Afinal, como ela disse: “Quantas preocupações deixamos de ter quando decidimos não nos tornarmos algo mas sim alguém.” Joyeux anniversaire, Mademoiselle! E merci pelo legado! Beijos!

Dani Conte
Dani Conte
Escreve sobre moda, beleza e tendências, mas também dá seus pitacos em outros assuntos. Revisa demonicamente todos os conteúdos do blog.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *