Pele de Verão
8 de novembro de 2014
A Cor do Calor
10 de novembro de 2014

E então que estou aqui re-escrevendo meu primeiro post para Coisas de Danny Hellen, tentando esquecer o medinho da rejeição e encontrar palavras que sejam realmente relevantes para acompanhar o que a Dani já escreve por aqui!

Resolvi editar o primeiro ( e único ) texto que produzi para Danny Hellen há cerca de um ano,  pois nesta nova fase do Blog, fui intimada a manter minhas palavras atualizadas por aqui, o que realmente adorei, porque escrever tornou-se, pra mim,  uma forma de ser feliz!

Espero conseguir fazer alguém feliz com minhas palavras também!  E isso me motiva muito! Agradeço a Dani por confiar nas minhas (doidas) opiniões obre o mundo! 

O texto é uma reflexão que ouvi no programa Saia Justa, do GNT, ainda no tempo de Monica Waldvogel e Beth Lago. Sobre o autor, se é que elas mencionaram, eu não lembro! Em conversas com amigas já contei essa história e muitas me ligam perguntando os detalhes, para poder recontar para as suas!

O assunto é de altíssima relevância: O Estilo Feminino  nas Diferentes Faixas Etárias. Gentilmente, apelidei essa reflexão de: Os “Es” da Vida de uma Mulher, e você já vai entender o motivo!

sophia1

O PRIMEIRO E – De Esquisita.

Na adolescência somos todas desajeitadas. Não sabemos nem mesmo caminhar direito com um corpo que cresceu antes de nos avisar. Não sabemos quem somos e conhecemos muito pouco do mundo adulto. É no desabrochar feminino, mais ou menos dos 12 aos 18, que detemos a permissão da esquisitisse e esse desajeito todo fica até gracioso. É a idade em que tentamos de tudo: do punk ao emo, da surfista à bailarina, de Madonna a Jackie Kennedy. E é buscando entender que tipo de pessoa habita dentro de nós, que ser estranha ou esquisita é mais do que normal e ainda perfeitamente comprendido e aceito pelos padrões sociais. Portanto, ser esquisita é legal nessa fase da vida! Aceite-se e experimente-se!

O SEGUNDO E – De Exuberante.

Perto dos 18 ou 20 anos a primeira e, muitas vezes, a mais traumática das exigências sobre a mulher: o mundo espera ver sua exuberância. É a idade do descobrimento da sensualidade. A expectativa da geral sobre essa gata-garota é que tenha algum sexy appeal como atributo de conquista social. É a fase em que os vestidos colados, as saias micro e decotes macro somados a cabelos imensos ainda podem ser valorizados como qualidade da fêmea. O comportamento destinado às funções biológicas de copulação e acasalamento são permitidos – e até esperados – pelo mundinho acerca dela. Vulgaridades à parte, os exageros na valorização da forma do corpo podem até ser compreensíveis e bem aceitos em alguns grupos. Afinal, essa é a hora de usufruir do patrimônio biológico pra escolher uma excelente amostra masculina da espécie para perpetuá-la,  como acontece em todas as linhagens do reino animal. O comportamento da jovem garota é bem mais instintivo do que racional, coisa que não deveria se prolongar além dos 30. Portanto, se é para ser felina, que seja neste momento!

O TERCEIRO E – De Estilosa.

Chegando aos 30-32, outra imposição social!  O E de ESTILO! Olha que delícia! Mulheres de sucesso com mais de 30 têm a obrigação de serem estilosas. E eu super concordo com isso. Se conseguir manter-se gata como nos 20 e aliar a Exuberância ao Estilo é fantástico. Mas aqui o E de Estilo é fundamental. É nessa fase que a garota mostra que amadureceu, ganhou personalidade e está conquistando seu mercado de trabalho. Já namorou legal, bebeu, curtiu, brigou e chorou. Já prefere um bom livro à uma balada fútil. Tem opinião política e um hobby definido. Espera-se que ela tenha mais do que beleza e exuberância a oferecer. Ela deve mostrar sua inteligência nos modos, na simpatia, na delicadeza, no profissionalismo, nas escolhas do estilo de vida e também na roupa que usa. O estilo traduz inteligência e sensibilidade, duas qualidades admiráveis e desejáveis em uma mulher de 30! Não saber qual é o seu estilo depois dos 30 é inadímissível. É pecado mortal. Portanto, a regra é: estude-se! – conheça a si mesma e descubra como revelar sua bela personalidade ao mundo sem que precise explicar. Sua simples presença deve falar, sem palavras, sobre quem você é.

O QUARTO E – De Elegante.

Com 40 e 50 a coisa aperta mais ainda! Agora essa mulher há de ser Elegante! Mesmo que chegue lá com um corpão de dar inveja às de 20, a mulher aos 40 tem um compromisso com a Elegância! É a idade mais difícil – e cara! – pois o dermatologista e o salão de beleza devem ser visitados com frequência e a academia 2x por semana já não tem mais o mesmo efeito sobre os músculos! Entretanto, nada pode ser mais inadequado do que uma cinquentona vestida de mulher fatal, mesmo que sua silhueta permita. Ou, ainda, exagerando na bebida publicamente, chorando por amor em uma mesa de bar. Nessa fase, a sensualidade deve ser reservada e não excessivamente exposta. Se a exuberância ainda lhe favorecer, ela deve ser revelada sutilmente e com muita cautela, sempre somando Elegância nos gestos e nas atitudes. O resultado desses Es agregados: Exuberância + Estilo + Elegância será uma mulher de arrasar o quarteirão!  Mas se tiver que escolher entre um dos atributos, a Elegância é a virtude mais deusa depois dos 40! Portanto os conselhos: sobre o comportamento, invista em etiqueta; sobre a roupa: invista em acabamento; sobre todo o resto: invista em qualidade.

O QUINTO e DERRADEIRO E – De Excêntrica.

Depois dos 60, uma nova permissão: a mulher pode (e deve) ser excêntrica! E quanto mais excêntrica a senhorinha parecer, mais linda fica! É a idade da libertação! Ela pode ser quem quiser! Pode ser esotérica, pode ser exótica, pode ser intelectual, pode usar tênis colorido com terno e óculos de gatinha. Pode usar turbante colorido, cabelo vermelho e andar a bordo do seu Fiat 500 conversível, afinal, um carro tamanho família é, agora, dispensável. Ela já aprendeu que o essencial é a liberdade! Como já entende a brevidade da vida, percebe o valor de experimentar e ousar! Nada pode ser mais fofo do que uma senhorinha vestindo um jogguing rosa pink, praticando stand up, decidindo fazer aulas de yoga ou viajando para um intercâmbio de francês. Tudo por puro prazer de viver! Portanto, quanto mais permitida e independente a mulher estiver depois dos 60, mais jovem será sua alma, e agora é só isso que importa!

E já estou preparando minha lista de excentricidades, porque quando eu chegar aos 60 quero ser excêntrica no maior grau possível!!!

Beijocas

sophia2

 

1 Comentário

  1. Paique Damasio disse:

    Super concordo!! Post sensacional!!! Parabêns Rê!!!