NA CASA DA ZUCCA
18 de junho de 2015
Um “little Bite” de Nova York
6 de julho de 2015

No último fim-de-semana, Celebrate Pride virou polêmica e as mídias sociais foram dominadas por avalanches de manifestações enfurecidas. Sim. Sempre enfurecidas…

Eu vou escrever agora, sem filtro nenhum, minha opinião sobre algumas coisas que eu li nas redes sociais e que rodearam o tema “casamento gay”.

Quantas imbecilidades derivaram desta maravilhosa notícia. Gente que xingou amigos que “coloriram” a foto do perfil, gente que reclamou por que ninguém fez tamanho estardalhaço quando aconteceu aqui no Brasil, gente que se insurgiu contra a importância dada ao assunto “enquanto tem gente passando fome no mundo”. Uma onda de “cocôs de boi” foi lançada aos quatro ventos, desencadeando uma série de microdiscussões acerca de coisas que a maioria dos revoltadinhos nem entende direito, tampouco foi pesquisar.

1- Exagero (?)

Se você é heterossexual mas não entende a razão de tanta comemoração é porque é um heterossexual alienado. Homossexuais MORREM e são espancados TODOS OS DIAS pelo simples fato de serem homossexuais. Já pensou você não poder ser ruivo porque pode despertar a ira de alguém? Ou não poder ser canhoto? Pois é… Empatia é a palavra.

2- Uma causa não anula a outra e a revolta anula tudo.

Comemorar a vitória dos casais homoafetivos norte-americanos não impede ninguém de apoiar outras causas. É que quem acredita em igualdade, acredita nela para tudo, e se posiciona. “Escolher” causas para apoiar, alegando que é a favor das duas mas que uma é mais relevante que a outra é patético, a menos que você precise decidir se entra no programa Médicos sem Fronteiras ou se vira voluntário no Greenpeace. Se for contribuir financeiramente, a escolha também é válida. Mas se a sua bunda não vai levantar da cadeira, aproveite e economize ainda mais energia não postando bobagens como aquela foto da criancinha faminta. Já dizia Abraham Lincoln: “É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do quer falar e acabar com a dúvida.”

3- Quando o casamento gay foi reconhecido no Brasil não se fez tamanho estardalhaço.

Sim, isso é evidente! No Brasil as uniões homossexuais foram equiparadas às heterossexuais em 2011. Mas em 2011  ainda usava-se Orkut, minha gente!!!! O Facebook mal tinha começado a operar por aqui – abriu operação oficial, com escritório no Brasil, em fevereiro de 2011. Naquele ano a internet era mais lenta e menos gente tinha smartphone. Em 2011 não dava para trocar a cor da foto do perfil com um touch. E, principalmente, tanto em 2011 quanto em 2015, uma decisão da Suprema Corte dos EUA e sua repercussão têm muito mais poder de influência no comportamento da sociedade do mundo todo do que uma decisão da Justiça brasileira – sem desmerecer o nosso judiciário que, neste caso, mostrou-se moderno e democrático. Aliás, vale essa leitura aqui para entender melhor as decisões de um e de outro país.

4- O Facebook se aproveitou da situação.

Hahahaha! Piada? É lógico que o Facebook se aproveitou da situação porque o trabalho do Facebook ÉÉÉ se aproveitar de situações para gerar interação, uma vez que o Facebook vive de interações (surpresaaa!!!). Fiquei chocada com uma publicação que eu li hoje, onde a pessoa agradecia por não ter mudado a cor da foto no perfil. É que o Facebook vai “rastrear” quem mudou a foto do perfil e oferecer anúncios voltados ao público gay e simpatizantes para estes perfis. Gente, sério que tem gente que ainda não notou que quando procura a palavra “praia” no Google passa a receber anúncios de resorts, bronzeadores e biquínis, mesmo se for alérgico à areia?

Nessas horas o preconceito fica escancarado. E as vaidades também. O estrago que o preconceito pode fazer na vida das pessoas é incalculável. Já escrevi sobre isso aqui, quando contei do filme “O Amor é Estranho”. Precisamos nos insurgir contra o preconceito e apoiar toda e qualquer vitória da igualdade. Precisamos aprender a apoiar causas pelo simples fato de serem justas, mesmo que não repercutam nas nossas vidas ou que não toquem nossos instintos. O casamento gay não muda absolutamente nada na minha vida, mas eu fiquei muito feliz por mais esse passo na luta por igualdade. Eu fiquei feliz porque eu não preciso de uma foto comovente, com gente passando fome, para apoiar uma causa. Eu não preciso ser gay para vibrar com a decisão da Suprema Corte dos EUA. Eu não preciso me beneficiar dos resultados de uma vitória para comemorá-la. Basta que a luta seja justa e coerente.

Dito isso, vou lá para  meu Facebook mudar orgulhosamente minha foto!

Sem tempo para ir além mas com acidez de sobra para manifestar, peço que olhem bem para a imagem a seguir. São cristãos protestando contra a legalização do casamento entre brancos e negros, na década de 60. O mais fantástico do Facebook é que a timeline deverá estar disponível lá em 2040… E como foi a sua no fim-de-semana? Seus filhos/sobrinhos/netos vão ver…

protesto

Dani Conte
Dani Conte
Escreve sobre moda, beleza e tendências, mas também dá seus pitacos em outros assuntos. Revisa demonicamente todos os conteúdos do blog.

6 Comentários

  1. […] é do time que precisa escolher causas. Talvez você tenha até falado mal de quem usou o filtro Celebrate Pride no perfil do Facebook, alegando que não concordava com ele por causa da fome na África… tipo… […]

  2. Verônica disse:

    Guria!eu já te lia há bastante tempo e sempre sigo atenta às tuas dicas,mas esse post!!!

  3. Rejane Toigo disse:

    love love love You!

  4. Joana Maria Toigo Conte disse:

    Puro orgulho. Siga em frente com essa lucidez e coerência.

  5. Joana Maria Toigo Conte disse:

    Puro orgulho. Siga em frente com essa lucidez e coerência.

  6. Cristina Conte disse:

    Guria que posicionamento!!!!!
    Orgulho de ti!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *